Make your own free website on Tripod.com

 

Após a realização do Casamento, uma nova vida se descortina ao Casal. Para nós cristãos, o Matrimônio é um Sacramento, ou seja, um ato sagrado que santifica uma união de amor entre um homem e uma mulher. E pelo fato de ser sagrado, ele sempre deve ser realizado na Igreja.

Como as pessoas vivem numa sociedade regida pelas Leis do país, todos, sem exceções, são cidadãos e estão sujeitos à Lei Civil. Assim, perante as instituições civis é necessário que o homem e a mulher provem que são casados. Isto evidentemente só é possível através do Casamento Civil em que os dois cônjuges assinam um contrato matrimonial diante do Juiz, no Cartório Civil. Dessa forma, um contrato matrimonial entre duas pessoas com padrinhos e testemunhas, ele tem consequências jurídicas e sociais, sendo o documento hábil a todos os casais que vivem normalmente em família na comunidade existencial, porque prova a condição pessoal de ambos.

Por estes motivos, o Matrimônio não pode ser uma experiência para “ver se vai dar certo”! Quando os cônjuges decidem acolher as leis da Igreja e da Sociedade, aceitando todas as normas e regras estabelecidas perante testemunhas, conscientemente não podem transformar o Matrimônio num objeto de experiência a dois.

O fato de existir Casais que logo com pouco tempo se separam ou se divorciam, argumentando incompatibilidade de gênios, define claramente que os dois não estavam preparados para o Matrimônio. Na vida, tudo que é realizado sem o necessário preparo e sem um autêntico conhecimento do que vão realizar, com certeza, estará condenado ao fracasso.

O Casamento é o passo final entre duas pessoas (um homem e uma mulher) que simpatizaram um com o outro e decidiram iniciar um Namoro para melhor conhecimento, objetivando observar e sentir se existe de fato uma forte afinidade entre eles. O Passo seguinte é o Noivado, onde eles já se conhecendo melhor, buscam através do diálogo intenso e permanente, ajustar as suas preferências, exercitando a renúncia em favor do outro, mutuamente, para alcançar um melhor entendimento que resultará numa união mais sólida.

Assim sendo, nos períodos: Namoro e Noivado, é que devem ser pesquisadas e realizadas todas as experiências e verificadas todas as reais propostas para uma vida a dois, com a intenção de eliminar barreiras e as formas de egoísmos e empecilhos que poderão surgir tentando impedir a existência de um entendimento racional e adequado entre um homem e uma mulher.

Ajustados o conhecimento mútuo entre os cônjuges, nos primeiros anos de Casamento geralmente o maior problema a ser enfrentado refere-se ao dinheiro. Isto, em consequência de terem que assumir todas as exigências financeiras no cotidiano. Então acontece a natural busca de um melhor emprego, ou melhoria de cargo, ou os maiores esforços para conseguir uma vantajosa promoção ou uma apreciável gratificação financeira na função que exerce. Esta realidade poderá exigir inclusive, cursos de idiomas ou aperfeiçoamento técnico, com a intenção de abrir os horizontes. Na atualidade, em que existe uma grande concorrência para uma boa colocação, a procura de um melhor e mais rendoso emprego tornou-se uma providência que não pode ser esquecida e deve ser encarada com naturalidade, como um acontecimento normal na vida das pessoas.

Pode acontecer ainda, que o Casal tenha que enfrentar logo nos primeiros anos, o problema de moradia. Não tendo casa própria e nem dos pais, terão que alugar uma residência como primeiro lar. Os alugueis são caros e reajustados anualmente. Então deve ser escolhido um imóvel na real possibilidade dos cônjuges, a fim de que no planejamento que fizeram, permaneça a possibilidade de conseguir num futuro próximo, um financiamento para aquisição da casa própria, eliminando o peso do aluguel.

E pelas razões expostas ou por outros motivos que surgirem, poderão levar o Casal a decidir encomendar os Filhos só depois de um ou dois anos de casados, por exemplo, quando esperam estar com os compromissos comerciais em situação mais favorável, conseguindo normalizar em parte as dificuldades naturais encontradas num inicio da Vida a Dois.

Todavia, muita atenção e cuidado: se decidirem transferir a data para a encomenda dos filhos, o Casal deverá seguir o caminho correto e recomendável, evitando o uso de pílulas e outros anticoncepcionais que podem afetar a boa saúde da mulher. Como já foi explicado em Palestra anterior, o Método Billings é o mais aceito, por se tratar de um método natural que não oferece nenhum “risco” a saúde, sendo conscientemente recomendado pelas autoridades civis e principalmente pelas autoridades religiosas.

Além das mencionadas providências, poderão surgir outras, que conduzirão o Casal a assumi-las objetivando buscar um viver racional e responsável.

Ao conjunto das atitudes e procedimentos mencionados, que são resoluções altamente elogiáveis e racionais, denominamos de “Responsabilidade Paternal” . Ela deve ser cultivada e exercida com perseverança e honestidade pelos Casais, porque o procedimento responsável dos Pais em relação a todos os assuntos importantes da família demonstra o respeito e a obediência dos dois, as Leis dos Homens e de Deus.

Em sua essência, a “Paternidade ou Maternidade Responsável” consiste no Casal assumir verdadeiramente as suas funções de Pais, trabalhando com empenho e seriedade em suas funções, também gerando os seus Filhos na época oportuna e cuidando de sua alimentação, educando-os tecnicamente pelos estudos e principalmente, sob o ponto de vista moral, afetivo e religioso.

Assim sendo, para o bem da própria família, os Pais não devem gerar os filhos sem um prévio planejamento, porque pode gerar complicações de ordem moral e financeira.

Quanto à educação dos filhos, os Pais não devem deixar as crianças somente entregues aos cuidados do Colégio onde estudam, porque na convivência com os outros alunos, eles poderão assimilar modos, palavreados e costumes nocivos a boa formação moral, que influenciarão negativamente sua conduta na fase crucial do crescimento. Por esta razão, é necessário que os Pais acompanhem a evolução dos filhos para estimular as suas atitudes corretas e corrigir os defeitos que eles assimilaram na permanência no Colégio, junto de seus companheiros. Estas mesmas considerações devem ser colocadas, quando existe no jovem o desejo de viajar para o exterior, para permanecer um tempo em outro país, objetivando se especializar no idioma, vivendo na residência de uma família desconhecida! Hoje com a Internet, com a facilidade de acesso e comunicação com todas as partes do mundo por E-mail e conversação ao vivo, o aprendizado de qualquer idioma ficou muito mais fácil e sem qualquer despesa. Assim, este assunto de viajar para se hospedar em casa de estranhos com a finalidade de apreender e aperfeiçoar outro idioma, não tem sentido e não ajuda na boa formação. Os Pais não podem e não devem concordar que na fase mais crítica para educar os seus filhos, quando mais eles necessitam da presença materna e paterna para corrigir e acertar algumas imperfeições no caráter, por negligência, afrouxamento da disciplina ou comodidade, eles concedam a viagem ao filho. É uma decisão perigosa, porque a ausência da orientação dos Pais, unida a todos os riscos e provações que seguramente o jovem passará no estrangeiro, poderão transformar aquele espírito de aventura, que na verdade é mais uma vaidade ou orgulho infantil, numa perigosa, terrível e desagradável "dor de cabeça".

Significa dizer, que para a própria alegria e tranquilidade espiritual do Casal, é importante os Pais assumirem com cuidado e inteligência, todas as responsabilidades da Família que estão construindo, e às vezes, até mesmo com sacrifício, deverão acompanhar e “conferir” todas as ocorrências no Lar e nas atividades de seus Filhos.

Por outro lado, o cultivo do Amor do Casal não pode ser legado a um plano inferior ou de esquecimento, assim como não pode ser congelado. Eles devem se preocupar em manter acesa a chama do Amor que desde o tempo do Namoro, passando pelo Noivado, lhes trouxeram tantas alegrias e esperanças nas suas realizações materiais e espirituais. Agora na existência Matrimonial, por maior razão e com os maiores cuidados, os dois devem exercitar o amor que os uniu e também o amor que dedicam a Deus, com o mesmo interesse e devoção, porque o Amor é a “essência perfeita”, que mantém uma existência harmoniosa e proporciona a almejada felicidade.

Também é necessário que procurem estabelecer uma sincera amizade com o Senhor, não só no momento de pedir alguma coisa e não só fundamentada em algum interesse material. Mas uma amizade consciente de quem reconhece a paternidade Divina e quer se esforçar em retribuir ao Senhor os dons, as graças e as virtudes que Ele adornou a sua vida. Também não devem se preocupar em fazer feitos grandiosos como caminhadas penitenciais, viagens e visitas a Santuários no exterior, para querer construir a “sua amizade” com Deus. Seja autêntico, simples e natural, primordialmente procure se esmerar e caprichar nas suas atitudes e no bom comportamento cotidiano. As viagens e as visitas ao exterior podem e devem ser feitas por aqueles que gostam e possuem os recursos necessários. Mas elas não deve ser colocadas num pedestal essencial. Elas proporcionam na verdade elementos ilustrativos e auxiliares ao conhecimento pessoal.

Sem desejar estabelecer uma relação com grandeza de valores, o “pequeno caminho” proposto por Santa Terezinha do Menino Jesus é uma excelente diretriz, porque nos convida cultivar a simplicidade no viver cotidiano. É um exemplo admirável que utiliza demonstrações modestas, mas sinceras e autênticas, como testemunho de devoção ao Senhor. É o caminho mais evidente e mais fácil, porque é acessível a todos os Casais, dependendo essencialmente do interesse e da disposição de cada um, para segui-lo com perseverança, objetivando alcançar a amizade do Criador.

Poderiam perguntar: “Mas como seguir o Pequeno Caminho”?

Desde o acordar pela manhã, procure manter o sorriso nos lábios, não como manifestação forçada, mas fruto de uma consciente luta interior para impor a sua vontade sobre algum possível mau-humor, ou sobre alguma ocorrência que logo cedo cause algum tipo de preocupação, fato que não é de seu agrado. Evitar o aborrecimento. Cumprir seus deveres e obrigações considerando os possíveis reveses e insucessos, como fatos sem importância e, portanto, se necessário, os afazeres devem ser repetidos até satisfazer o desejo da perfeição. Por isso mesmo, deve ser paciente no tratar as pessoas e na realização de qualquer tarefa. Sendo o caso, interrompê-la quantas vezes for necessário, para atender uma solicitação, ou para atender um chamado telefônico, ou para dar atenção a alguma pessoa que se aproximou, principalmente se for a "a outra metade do Casal". Rezar todos os dias, não só as orações convencionais, mas se possível o Terço de Nossa Senhora e também, aquela oração que sai do coração, com suas próprias palavras, como se estivesse conversando com o Senhor, sobre as suas alegrias e tristezas, sobre os problemas, as dificuldades e vitórias alcançadas, sobre a saúde da família e o bem-estar que o Senhor lhes proporciona. Aos domingos e feriados, pelo menos, deverão frequentar a Igreja e participar da Santa Missa, acompanhando todas as orações e recebendo a Sagrada Comunhão, se verdadeiramente estiverem em “estado de graça”, ou seja, perdoados e penitenciados de todos os seus pecados. Jamais comungar o Senhor sem que estejam conscientemente em “estado de graça”, porque receber Jesus com a “Alma suja” é um terrível sacrilégio além de ser pecado mortal.

O maligno sempre está à espreita, na expectativa de surgir uma oportunidade para querer interferir na busca de santidade dos cônjuges, e por isso, com certeza irá lhes propor muitas dificuldades, objetivando desanimar o Casal de exercer a sua religiosidade e de viver uma existência harmoniosa. Mas os dois devem estar preparados e deverão esperar por todos os tipos de tentações, sendo inteligentes ao compreenderem o sentido do obstáculo que surgir e assim, deverão suplicar as graças do Senhor para ajudá-los a ultrapassar todos os problemas. Isto porque, inspirados pela Luz Divina e com discernimento conseguirão vencer todas as dificuldades e depois, juntos e sorridentes, irão saborear o prazer e o júbilo da vitória, não se esquecendo de agradecer ao Criador o precioso carinho e o eficiente auxílio, sem os quais a alegria do Casal seria impossível.

Na busca da felicidade matrimonial existem duas virtudes importantes que embora já tenham sido nomeadas nas Palestras anteriores, vamos colocá-las novamente em evidência, porque elas são imprescindíveis e não podem ser relegadas a um plano de esquecimento pelo Casal: refiro-me a fidelidade conjugal e a solidariedade mútua. São dois valores exponenciais, de imensa importância, que atuam de modo preponderante no Casal, influenciando diretamente para que exista ou não, harmonia e a felicidade matrimonial. É necessário ao Casal saber ser fiel no trabalho, no comportamento diário, no pensamento, no olhar, em todas as atitudes exteriores e primordialmente no amor, porque a virtude da fidelidade é o passaporte mais digno e importante, que um Casal poderá ostentar e que sem dúvida, lhe concederá acesso a um imenso e incomensurável amor.
Os dois também devem exercitar a solidariedade mútua nas intempéries, nas dificuldades materiais e espirituais, na doença e em todas as oportunidade, porque a solidariedade entre os esposos é o sinal evidente que traduz atenção, carinho e disponibilidade entre eles. Tanto o homem como a mulher que se amam, devem manter sempre os braços estendidos e as mãos abertas para socorrer e amparar um ao outro em suas necessidades. È uma virtude difícil e penosa, que as vezes vem acompanhada de longos e afiados espinhos, que afundam na carne e arrancam caudalosas lágrimas com tristes soluços do coração. Outras vezes ela é exigida com a chegada de uma doença, em face de um problema sério na saúde de um dos cônjuges. Em outras oportunidades a virtude da solidariedade é solicitada pelo avanço da idade, que vai exigindo dos cônjuges maior dedicação, mais ampla e prioritária atenção, porque também, são nestes períodos mais dolorosos e difíceis, onde a dor e o sofrimento ocupam o espaço de todas as horas, é que se revelará o verdadeiro sentimento, o caráter e o coração das pessoas. O verdadeiro amor não se enraíza só nos momentos de alegria e júbilo, mas primordialmente ele se mostrará bonito e firme, altivo e exuberante ao poder servir, consolar e carinhosamente aliviar a dor na pessoa amada que sofre.

Na época atual, para os Pais educar os seus filhos, além das dificuldades que normalmente ocorrem, existe hoje um abominável inimigo, representado pela terrível escalada de permissividade. A atual escalada de permissividade tanto em relação ao homem como a mulher, pela sua audácia impressionante, chega a deixar desnorteadas muitas consciências não devidamente preparadas e consolidadas. Acompanhando esta crise de valores, da falta de reconhecimento e da ausência de dignidade humana, acrescenta-se outra investida sistemática e cruel, que quer atuar nas consciências das pessoas pretendendo “banir toda a noção de pecado”, ou seja, quer considerar que todas aquelas grosseiras transgressões e outras, verdadeiras aberrações morais com o exercício do sexo quase explícito, é comportamento comum nas “famílias evoluídas”!

Uma lástima! Uma abominável moléstia que mata a Alma e traz sérias complicações ao Corpo, quando também não o leva para o túmulo!

A concorrência entre as emissoras de Televisão, para ganhar audiência exibem programas que são um exagero de absurdo, com conteúdo incrivelmente deplorável, pernicioso, lascivo e imoral. Não se justifica tamanha grosseria que querem chamar de “liberdade de imprensa e de pensamento” . Uma vergonha injustificável lançada diariamente na intimidade das famílias, que têm de enfrentá-las e conviver no cotidiano com a malícia e a maldade proposta em muitas ocasiões. Uma permissividade abominável que quer destruir a moral, o direito e a justiça, infringindo um duro golpe no amor fraterno. Como consequência destes acontecimentos surge uma ganância desenfreada explorando a fraqueza humana para faturar grandes lucros, com o tráfico de tóxicos, com a produção de pornografia e com todas as formas de exploração do sexo. Agravando este quadro, cada vez mais ouvimos notícias de crimes contra a ética, a economia e nas gestões públicas! E ninguém é punido pelo que acontece! Uma calamidade nacional!

Enquanto as autoridades descansam em berço esplendido ou se afundam numa burocracia medíocre, não assumem uma atitude correcional e eficaz, enquanto não acontece uma providencia oficial que coloque um “basta” em tamanha imoralidade, os Pais que amam a sua família e amam e respeitam a Deus, não podem e não devem permanecer de “braços cruzados” , sem qualquer reação. Ao contrário, deverão permanecer mais alertas e cercar os seus filhos de maiores cuidados, para o bem de todos e tranquilidade espiritual da família.

Isto porque, se hoje reina em toda parte tanta insatisfação, agressividade e violência, são frutos e consequências de uma mentalidade consumista, estimulada e incentivada pelos órgãos de divulgação, que erigindo o bem-estar como valor supremo, gera idolatria pelo dinheiro e poder, causando injustiça e infelicidade social.

Então, este é um alerta vermelho. Os Pais deverão se preparar com seriedade para combater esta realidade, que como incêndio criminoso esta se alastrando por todas as partes com destruidora vulgaridade e volúpia.

Todas as pessoas possuem a sua autodefesa, que naturalmente deve ser exercitada para manter a dignidade da honra, do caráter e da própria vida. Entretanto, na atualidade, somos forçados pela circunstância a exercitarmos nossa autodefesa também para defender o nosso patrimônio, para defender os nossos filhos e protegermos o nosso lar. Assim, devemos dispor de todos os recursos e das nossas forças morais e espirituais, para guardar e defender nossa família contra todo o mal. Não podemos permanecer indiferentes assistindo o perigoso assoreamento da consciência de nossos entes queridos pela irresponsabilidade e imoralidade que capeia livremente em nossos dias.

Sabemos que toda reação não encontra um caminho fácil para ser executada, mas temos que ter atitudes necessárias e eficientes, educadas, inteligentes e essencialmente amorosas, para ensinar aos nossos filhos.

Sempre com paciência e tranquilidade, os Pais devem educar as crianças no direito e na justiça, explicando o contraste das cenas que são exibidas em confronto com as leis e a essência do direito, do amor ao próximo e a Deus. Os Pais deverão citar exemplos desagradáveis que aconteceram a diversos casais, que se enveredaram pelos caminhos tortuosos da ambição, da calúnia, da mentira, da imoralidade, da falsidade, do roubo, do crime e do assassinato. Isto porque, os Pais devem compreender que simplesmente desligar a TV não resultará em benefício, porque o maligno trabalhando invisivelmente vai colocar na cabeça da criança ou do jovem, uma “perniciosa minhoca de dúvida” , que lhe causará danos porque vai iludir a sua mente desprevenida e despreparada. Conduzidos pelo mal, poderão até imaginar que aquelas cenas não constituem nenhuma transgressão!

Estes fatos nos levam a compreender a necessidade premente da presença dos pais junto aos filhos, com seus cuidados e carinhos, dando-lhes assistência, material, espiritual e paternal. Sendo grande e desproporcional o abominável volume de periculosidade, de maldades e maus exemplos, a presença dos Pais se torna necessária e urgente, para que a família seja protegida e possa existir com honra e dignidade.

Nas famílias está depositada a confiança e a esperança de uma nação! Se cada pessoa se preocupar em formar um Lar decente e honrado, onde existe o amor e amizade entre os seus membros, com certeza será edificada uma sociedade sólida e justa, com cidadãos responsáveis, que alcançarão sucesso na vida e terão condições de organizar e servir dignamente ao país. Tudo isto será possível e perfeitamente viável, se houver interesse, preocupação e responsabilidade nas pessoas, porque também serão com estas mesmas providências que os Casais conseguirão proporcionar as suas famílias uma harmoniosa existência repleta de amor com imensa felicidade.

(Finalizando a Palestra seria construtivo citar um exemplo de Casal bem sucedido, que soube planejar e organizar a vida pacientemente e com perseverança, alcançando a felicidade conjugal)

 

Próxima Página

Página Anterior

Retorna ao Índice